Home > Mulher > Tratamentos naturais para Atrofia Vaginal

Tratamentos naturais para Atrofia Vaginal

Atrofia Vaginal – O que é?

A atrofia vaginal é a secura, inflamação e desgaste das paredes vaginais que é acompanhada de uma queda nos níveis de estrogénio, geralmente na menopausa e pós menopausa.

Na maioria dos casos, a atrofia vaginal é tratada com estrogénio, o que pode causar efeitos colaterais sérios, como o risco aumentado de câncer, acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos.

Para “fugir” aos remédios sintéticos, existem alternativas naturais que incluem suplementos de óleo de espinheiro mar, probióticos vitamina E e D, Erva de São Cristóvão (Acteia) e Erva de São João.

Atrofia vaginal ou atrofia vulvo-vaginal é uma condição em que as paredes vaginais começam a ficar mais finas, acelerando o processo de deterioração do tecido vaginal, a  secar e a inflamar-se. Isto ocorre devido a uma queda nos níveis de estrogénio, especialmente durante a menopausa. Também pode acontecer no pós parto.

Atrofia pode causar irritação constante e dor durante a relação sexual, além de diminuição do fluxo sanguineo vaginal. Seus sintomas também podem afetar a função urinária, causando queimação e incontinência. Esses tratamentos naturais podem ajudar a aliviar esses sintomas e proporcionar algum alívio.

Remédios Caseiros para a atrofia vaginal

A forma mais comum de tratar a atrofia vaginal é através da administração de estrogénio. Estes podem ser na forma de pílulas orais, cremes tópicos ou anéis vaginais.

As pílulas orais, especialmente quando suplementadas com progestina, são consideradas prejudiciais porque o estrogénio pode aumentar o risco das seguintes condições:

  1. Câncer de mama
  2. Câncer do endométrio
  3. Coágulos de sangue – Trombos
  4. Infarto
  5. Ataques cardíacos
  6. Demência

O estrogénio vaginal na forma de cremes tópicos ou anéis vaginais tem menos risco de contrair essas doenças, mas ainda tem o potencial de causar esses problemas. As mulheres que têm história de câncer, fibromas uterinos ou têm mais de 60 anos não estão incluídas neste tipo de tratamento com estrogénio, porque os riscos superam qualquer benefício potencial.

Se na realidade pretender mesmo um tratamento em tudo idêntico a esse vale a pena explorar algumas opções naturais que podem proporcionar alívio com pouco ou nenhum efeito colateral.

Nota: Não se automedique. Antes de iniciar qualquer tratamento, consulte o seu médico que irá certificar-se se o tratamento que pretende é o mais adequado para si.

Atrofia Vaginal – Tratamentos naturais

1. Óleo de Espinheiro do Mar

Este óleo é frequentemente usado em países asiáticos como remédio para a inflamação genital e uterina. Estudos mostram que o óleo de espinheiro do mar, tomado por via oral, ajuda significativamente a aumentar a lubrificação e funciona como um tratamento tópico efetivo para as mulheres pós-menopausa.

Também ajudou a reduzir outros sintomas da menopausa como suores noturnos (fogachos).

Os cientistas teorizam que os ácidos gordos no óleo poderiam ajudar a melhorar a lubrificação vaginal e reduzir a inflamação.

2. Próbioticos


O iogurte natural que tem na sua geladeira pode conter bactérias que ajudam a aliviar os seus sintomas. Estudos descobriram que uma pequena quantidade de lactobacillus (a bactéria presente na maioria dos probióticos) foi associada a sintomas de atrofia vaginal.

Os pesquisadores sugerem que os probióticos poderiam ser uma maneira eficaz de manter o ambiente bacteriano na vagina dominado por lactobacillus.  Portanto, poderia fazer toda a diferença e  uma alternativa segura nos tratamentos prescritos.

 

3. Vitamina E

Estudos mostram que a vitamina E como repositório mostra sucesso no tratamento da atrofia vaginal. Os pesquisadores observam que leva mais tempo para que os resultados apareçam, mas pode ser tão eficaz quanto os cremes tópicos de estrogénio.  Isso constitui  uma óptima  opção para mulheres que não podem usar terapia baseada em reposição hormonal devido a história de câncer ou outros fatores, que se tem necessariamente que evitar.

4. Vitamina D

A vitamina D é outro suplemento de reposição que pode aliviar os sintomas de atrofia. As mulheres que receberam o repositório relataram melhora significativa, que também foi largamente comprovada.

Os resultados mostraram que o pH vaginal e a secura melhoraram com a ajuda desse tratamento. A vitamina D, como a vitamina E, é uma ótima opção para mulheres que não podem ou não querem optar por terapia hormonal.

5. Acteia (Erva de São Cristóvao)

O cohosh preto (Acteia) é uma erva bem conhecida por aliviar os sintomas da menopausa. Estudos mostram que pode melhorar o fluxo sanguíneo vaginal e aumentar o interesse pelo sexo, especialmente nos estágios iniciais da menopausa.

Isso significa que poderia aumentar a libido e melhorar a lubrificação. É possível que o cohosh preto possa ser usado como prevenção para a atrofia vaginal.

6. Erva de São João

Esta é uma planta que tem sido largamente usada em tratamentos médicos desde a antiguidade. Pesquisas sugerem que podem ser feitas preparações e usados extratos da planta, e que podem ser uma boa opção de tratamento para quem não quer ou não pode usar a reposição hormonal, prescrita pelo profissional de saúde.

Foque-se no exercício físico

Tente manter um peso saudável e índice de massa corporal. No entanto, não perca o peso muito rapidamente.
O exercício pode ajudar a promover a circulação sanguínea e equilibrar os níveis hormonais.

O excesso de exercício pode levar à secura e a fazer o efeito contrário, então não exagere.

Evite usar duches, ou quaisquer produtos de higiene feminina que sejam perfumados. A atrofia vaginal já o torna vulnerável a infecções e esses produtos podem favorecer essas infeções, piorando a situação.

A atrofia vaginal pode ser frustrante e dolorosa e algo penosa de lidar, mas, felizmente, que existem esses tratamentos naturais e mudanças de estilo de vida podem ajudar a aliviar  os seus sintomas e melhorar a sua qualidade de vida.